Do Capitalismo para o Digitalismo        

Representação esquemática da tese

 

 

- o desenvolvimento da tecnologia está a criar condições para a emergência de um novo modo de produção, o Digitalismo,  baseado na representação digital da informação e nas comunicações à escala mundial

-
um dos aspectos mais importantes dessa emergência é a modificação do trabalho: automatização do trabalho repetitivo (quer manual quer intelectual), preponderância do trabalho como manipulação de informação pelo conhecimento em vez de manipulação de materiais pela ferramenta

-
outro aspecto, consequência em grande parte do anterior, é a degradação do assalariamento, a relação de produção base do Capitalismo

- a
emergência de um novo modo de produção não significa necessariamente o fim da exploração; há indícios de velhos senhores do Capitalismo e novos senhores emergentes a tomarem posições para controlar os novos meios de produção e o novo trabalho

- cabe aos
partidos progressistas analisar e compreender a emergência da novaformação económica e social”, com novasrelações de produção” a partir de um novomodo de produção” e de uma novabase material”, para tentar condicioná-los

-
cada vez mais o valor das mercadorias se baseia, não no tempo de trabalho, mas no conhecimento nelas incorporado pelo trabalho

- à
luz desse facto, a Teoria Marxista do Valor baseado no tempo de trabalho, e que se aplicava bem ao modo de produção capitalista na suapureza inicial, deve ser reavaliada

- há
cada vez mais trabalhadores cujo modo de trabalho não se identifica com os modelos marxistas de salário e valor baseados no preço dos meios de subsistência e no tempo de trabalho, e que portanto não sentem que o projecto Comunista lhes diga respeito.

-
portanto, sem o reajustamento do paradigma marxista será muito difícil ganhar essas vastas camadas de trabalhadores para a transformação progressista da sociedade.