DIGITALIZAÇÃO

 

Solução da Xerox para combinar informações em papel e em formato digital.

(infoIMAGEM nº21, Junho 1999)

 

Talvez por influência do nome, a escolha dos chamados dispositivos periféricos é muitas vezes tratada como uma tarefa menor quando comparada por exemplo com a escolha do SW ou do subsistema de armazenamento. É uma ligeireza que se pode pagar caro! Sem dúvida que há no mercado uma infinidade de monitores e placas, de scanners e SW's de digitalização. Para todos os preços e gostos! Mas a verdade é que grande parte deles não é verdadeiramente apropriada para a Imagem Documental, especialmente a nível de produção.

(infoIMAGEM nº28, Julho 2000)

 

(infoIMAGEM nº29, Setembro 2000)

 

O novo fôlego do Microfilme como meio de preservação a longo termo, proporcionado pela ligação analógica - digital.

(infoIMAGEM nº31, Fevereiro 2001)

 

Mesa Redonda organizada pelo infoIMAGEM e Páginas a&b, com participação de: Dr. Manuel Real (Arquivo Municipal do Porto), Dr. Rui Jordão (Microdoc), Dr. Ricardo Monteiro (Scansystem), Dr. Maria Luísa Cabral (Biblioteca Nacional), Dr. Isabel Canela (Informática El Corte Inglés), Dr. Alfredo Caldeira (Fundação Mário Soares) e Dr. Manuel Pelágio (Softnet).

(infoIMAGEM nº18, Dezembro 1998)

 

Quando falamos em formulários estamos a referir-nos a impressos, criados e tratados como documentos em papel. Mas se pensarmos em formulários electrónicos imaginamos painéis de computador, páginas da WEB com um determinado desenho de campos onde podemos introduzir informação que será enviada para um destinatário.Por outro lado o processamento electrónico de formulários mais não é do que o tratamento dos impressos já preenchidos, através de digitalização e OCR. E há também os geradores de formulários, ou seja SW's que produzem impressos.

(infoIMAGEM nº32, Abril 2001)

 

O que é um "e-Book"? Como se obtém? Onde se lê? Pode-se oferecer ou emprestar?

(infoIMAGEM nº33, Junho 2001)

 

A imagem digital não conseguiu ainda ultrapassar todos os problemas ligados à apresentação de documentos a longo prazo e à sua aceitação legal. Os sistemas híbridos, digital + analógico, aparecem cada vez mais como a solução, em qualquer dos três métodos: FTS (Film-Then-Scan), STF (Scan-Then-Film) ou S&F (Scan & Film).

(infoIMAGEM nº16, Agosto 1998)

 

A Imagem (o ficheiro electrónico) já não é apenas o espelho do documento: ELA É O DOCUMENTO! Com tudo o que isso implica em questões como preservação, fiabilidade, transportabilidade, facilidade de uso, apelo ao leitor...

Características como a qualidade da imagem, o tamanho dos ficheiros, a durabilidade dos meios de armazenamento, a familiaridade ou distanciação entre documentos electrónicos e "reais", se colocam de novo com pertinência. 

(infoIMAGEM nº34, Outubro 2001)

 

Extracto de artigos da autoria de dois especialistas da Fujitsu (Japão) sobre a tecnologia dos scanners a côres.

(infoIMAGEM nº34, Outubro 2001)

 

A Siemens Nixdorf explica a funcionalidade da sua gama de produtos ARCIS.

(infoIMAGEM nº14, Abril 1998)

 

Distinção entre vários tipos de scanners quanto ao débito e funcionalidades. Características a ter em conta conforme a aplicação.

(infoIMAGEM nº12, Dezembro 1997)

 

Artigo da responsabilidade da Fujitsu..

(infoIMAGEM nº37, Junho 2002)

 

Durante vários anos ligados à produção de microfilmes, os "Service Bureaux" evoluiram e prestam serviços tão variados como a digitalização (de papel e de microfilme), a captura de dados por OCR, COLD e produção de CD's. E têm um papel muito importante na integração dos arquivos existentes em soluções GEID.

(infoIMAGEM nº10, Agosto 1997)

 

Apresentação da tecnologia Virtual ReScan da Kofax, que através de SW ou de uma combinação de HW e SW permite corrigir sobre a imagem gerada pelo scanner os defeitos de digitalização (desde as imagens tortas até textos ilegíveis ou códigos de barras alterados por nódoas).

(infoIMAGEM nº38, Setembro 2002)

 

Voltar à secção de pesquisa.